Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lisboa Reflex

Lisboa em imagens e palavras, entre outras obsessões

Lisboa em imagens e palavras, entre outras obsessões

Lisboa Reflex

15
Jun18

Caminhar por Lisboa

Regularmente, opto por regressar do trabalho para casa a pé, percorrendo em cerca de uma hora a distância que separa Sete Rios da Penha de França. Tento sempre variar o trajecto, percorrendo assim artérias diferentes de cada uma das vezes, o que me dá uma perspectiva completamente diferente da cidade daquela que se obtém de carro ou de transportes públicos. Tenho por hábito fazer longas caminhadas pela cidade, de câmara fotográfica na mão, mas desta vez, ao cruzar a pé, já pela noite dentro, a zona da Praça de Espanha, infelizmente, não a levava comigo. Fiquei impressionado com a diferença de percepção que se tem ao olhar à volta e ver todo o espaço de ângulos únicos e completamente inacessíveis a quem por lá passa habitualmente de carro. É realmente impressionante e prometi a mim mesmo que muito em breve terei que explorar fotograficamente aquela zona.

Muitas vezes, os afazeres domésticos e profissionais impedem-nos de programar convenientemente caminhadas por zonas quiçá mais aprazíveis, pelo campo, serra ou junto ao mar. Contudo, para quem vive em Lisboa (ou em qualquer outro local), conhecer ou redescobrir a cidade a pé pode ser uma excelente forma de exercício físico e cultural. As caminhadas, mesmo em circuito urbano, podem-se transformar em excelentes momentos de prazer e descoberta, para além do facto de serem uma forma extremamente económica de passar algum tempo de qualidade enquanto se faz algum exercício físico. Fica o desafio.

15
Jun18

O meu pai, eu e o futebol

Hoje é dia de ter ainda mais saudades do meu pai. Pode parecer uma perfeita idiotice, mas não poder partilhar os bons e os maus momentos do Benfica ou da Selecção Nacional com o meu pai é das privações que mais me angustiam desde a sua morte.

Passámos muitos momentos de qualidade nas mais diversas situações, mas aqueles em que João Pinto provoca a reviravolta em Alvalade no jogo dos 6-3, o golo de Figo contra a Inglaterra reduzindo para 1-2 e iniciando assim a recuperação ou ainda o hat-trick de Sérgio Conceição contra a Alemanha, esses momentos foram só nossos, na nossa cumplicidade, do sofrimento, da alegria, das derrotas e das vitórias que eram apenas nossas e que nos tocavam de igual modo, trazendo um nó à garganta quando o hino ressoava num estádio distante da Holanda, da Suíça ou de França.

O futebol não é importante, dizem. Talvez… dependerá da utilidade que cada um lhe quiser dar e da capacidade que cada um tiver para relativizar os assuntos. Por mim, as memórias futebolísticas que partilhei com o meu pai são o que de mais importante sobra do futebol. Tem que ser. Caso contrário, ficar-me-ia sempre o vazio de um não abraço ou de um não telefonema para comentar uma vitória ou um golo de bicicleta do outro mundo. E ninguém aguenta vazios a toda a hora.

Força, Portugal!

14
Jun18

Edição com Color Balance no Photoshop

Com o intuito de ganhar experiência na ferramenta Color Balance do Photoshop, fotografei um pequeno recanto de minha casa que sabia à priori não ter as condições de luz ideais para fotografar.

O resultado foi este:

DSC_8988-1.jpg

 

Tirando as manchas no telefone, provocadas pela limpeza prévia indispensável com os toalhetes húmidos apropriados, a foto nem ficou tão má quanto eu temia. Contudo, o canto superior do tampo do móvel ficou à vista devido a um erro grosseiro de enquadramento e as cores estão demasiado frias, não contribuindo para a sensação de acolhimento que, eventualmente, se pretenderá numa foto deste género.

Com a edição em Photoshop reconstrui aquele canto ao tampo do móvel, optimizei o contraste nas cores primária através da ferramenta Curves e, utilizando o Color Balance, alterei o ambiente da foto. Finalmente, desenhei a vinheta para escurecer as margens de acordo com a foto.

Eis o resultado final, muito mais inspirador, e que demonstra bem o que simples toques de edição podem fazer por uma imagem:

DSC_8988-2.jpg

 

13
Jun18

Fotografia - Editar ou não editar

Embora seja boa prática tentar obter o melhor resultado possível no acto de fotografar, muitas vezes tal não é viável devido a constrangimentos técnicos - lente fixa inadequada, impossibilidade física de bom posicionamento, má qualidade da luz, entre outros - ou apenas por más opções ou outros constragimentos na hora do disparo. É nestes casos que a edição tem uma palavra a dizer. Eu edito sempre as minhas fotografias, até porque fotografo em formato RAW e este formato não tem como objectivo oferecer uma boa fotografia de raiz, uma vez que a principal função do formato RAW é precisamente recolher o maior número de informação em bruto para poder, á posteriori, ser trabalhada.

Este tipo de edição implica o balanço de cores e luminosidade, correcção de distorção e aberrações cromáticas das lentes e, muitas vezes, o reenquadramento (cropping) e nivelamento da linha do horizonte, sempre que se justifique.

Para exemplificar, junto duas versões da mesma foto: a primeira, o original em bruto convertido do RAW, sem qualquer edição. A segunda, uma versão editada e convertida em preto e branco da mesma fotografia. Embora este seja um caso extremo, serve de exemplo para o que é possível e recomendável fazer sempre que esteja em causa a melhoria de qualquer captura de imagem.

Foto original, sem edição e conforme captada em RAW

Foto original, sem edição e conforme captada em RAW 

 

A mesma foto após edição

A mesma foto após edição

 

12
Jun18

Tempo Extra na Estação do Oriente

Quando se tem que "matar tempo" à espera que uma loja abra, nada melhor que ir tirando umas fotos. Foi o que aconteceu recentemente enquanto aguardava pelo início da actividade comercial na Gare do Oriente.

Quem conhece o local sabe que o interior da gare é bastante escuro, pelo que optei por fotografar com ISO automático e com prioridade à abertura. Embora neste tipo de fotos pense sempre no resultado final a preto e branco, desta vez também gostei do resultado a cores em alguns dos casos.

Gare do oriente

 

Gare do Oriente

 

Gare do Oriente

 

Gare do Oriente

 

Gare do Oriente

 

Gare do oriente

 

 

12
Jun18

O limite é a falta de luz

Vulto a sair do Metro

 

Como em todas as artes, também na fotografia existem aqueles que consideram fotografia tudo o que acontece dentro de uns determinados limites estéticos, enquanto que outros consideram que tudo é plausível de se considerar arte desde que o autor o tenha produzido enquanto tal, como forma de uma interpretação ou exposição estética, independentemente do seu grau de inteligibilidade para quem observa a obra.

Por mim, em relação à fotografia, considero que desde que haja luz suficiente para captar uma imagem, temos arte. Contudo, admito que nem todas as opções estéticas daí vindas possam ser interessantes e reconheço a subjectividade do que é ou não é considerado interessante, consoante o observador, o estado de espírito ou a época. É essa maravilhosa subjectividade que nos permite encontrar o belo em tantas formas diferentes de expressão. E, depois, sempre existirão erros felizes que, mais a uns que a outros, mais nuns que noutros, se transformam ora em belo, ora em estranhos monstros. E a única luz de Lisboa faz parte deste todo subjectivo, tornando-o ainda mais irresistivel.

11
Jun18

Fotografia a preto e branco numa Lisboa a cores

Travessa do Rosário de Santa Clara

 

Considero que é através do preto e branco que melhor se relata o essencial do mundo. Para (quase) tudo o que realmente importa, o que merece ser retido ou as memórias que ficam, a cor é dispensável na medida em que distrai e contribui com pouco para a essência de um acto, um momento ou uma memória. Claro que há um sentido estético e de belo derivado e até mesmo inerente à cor, mas raramente esses atributos são importantes para o tipo de fotografia que gosto de fazer, exceptuando a fotografia cinematográfica

É também na fotografia a preto e branco que a componente essencial deste processo - a luz - melhor pode ser trabalhada, contribuindo para um resultado final que pode ser mais dramático, suave, contrastante, luminoso ou emotivo consoante a utilização que se faça da luz e das sombras. Para além disso, ao descartar a cor, eleva-se a composição a um patamar muito mais decisivo na construção de uma boa foto.

Finalmente, há uma sensação de intemporalidade por não sofrer das tendências de cor de cada época, impostas pela tecnologia utilizada ou simplesmente pela moda.

Sobre o autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.