Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lisboa Reflex

Lisboa em imagens e palavras, entre outras obsessões

Lisboa em imagens e palavras, entre outras obsessões

Lisboa Reflex

25
Jun18

Turistas e Feijoada

Carris Carreira 28

 

Eu gosto de turistas da mesma forma que gosto de feijoada. E gosto mesmo muito de feijoada. Contudo, o importante não é o quanto eu gosto deste típico prato mas sim quanto é que eu consigo comer sem que cause danos de maior ao meu aparelho digestivo e à qualidade de vida de quem me rodeia.

 

As mesmas cautelas se devem ter com os turistas. Embora considere maravilhoso ver a minha cidade a pulsar de energia e juventude, perceba a importância do turismo para a economia local e nacional e adore a forma como sabemos receber pessoas das mais diversificadas origens e culturas, considero extremamente arriscado pensar a cidade como um resort turístico ou um paquete de luxo. No dia em que os lisboetas – que sempre cá viveram - não forem a principal prioridade nas decisões e estratégias da cidade, já perdemos o bom senso e é como se estivéssemos a comer feijoada quatro vezes ao dia durante a época balnear.

 

Repare-se, por exemplo, numa das maiores atracções turísticas de Lisboa, o eléctrico 28. Esta carreira é um importante meio de transporte para uma considerável população de alguns dos bairros mais antigos da cidade e que são também locais de residência de uma população idosa e, nalguns casos, economicamente desfavorecida. O 28 cruza os bairros da Graça, São Vicente e Alfama, descendo depois à baixa, segmento de trajecto em que não existem reais alternativas de transporte público. Durante os meses de Verão, a fila no início da carreira, no Martim Moniz, atinge as largas dezenas de metros, sendo caracterizada principalmente por turistas que irão percorrer a maior parte do percurso da carreira, impedindo ou dificultando o acesso da população local àquele indispensável meio de transporte. Não existem alternativas para as populações, embora existam alternativas para os turistas – Hills Tram Car -, alternativa que arrisco considerar pouco eficiente devido à diferença de preços para a carreira normal (9 euros por adulto), demonstrando uma visão do turismo fundamentada nos anos 70 ou 80, altura em que os turistas que visitavam Lisboa tinham, grosso modo, bastante poder de compra e quando as viagens de avião estavam apenas ao alcance de alguns. Hoje em dia o paradigma é outro, os turistas que nos chegam são pessoas comuns que tentarão poupar sempre que poderem.

 

Continuem a servir-me feijoada. Eu gosto. Mas com moderação. Não quero viver em função do meu aparelho digestivo.

Sobre o autor

Posts recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.